Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

12 de julho de 2009

Os lutos ao longo da vida

O luto é entendido não só como processo natural a morte, como também as várias perdas existentes no decorrer da vida, que fazem parte da história de todo ser humano, porém pouco se fala a seu respeito.

A vivência do luto é fundamental para o processo de aceitação e elaboração do que se foi, quer seja; morte de uma pessoa querida, separação do cônjuge, perda e/ou mudança de emprego, dentre outros.

Todas essas fases podem representar um momento de luto, sendo necessário o recolhimento interno para que o sujeito posso se reorganizar mentalmente, emocionalmente e sentimentalmente.

No decorrer do desenvolvimento, o homem passa por vários momentos de luto em sua vida. Ainda quando bebê perde o contato direto com a mãe que, a princípio, era estabelecido através do cordão umbilical.

Ao perder esse contato direto com a mãe, a criança terá que dispor de uma autonomia através do seu corpo, que passará a se alimentar por intermédio do seio, deixando então de ser passiva.

Mais adiante a criança passará por outras perdas, relacionada à mudança de escola, professor, amigos dentre outras e, por conseguinte já na vida adulta, terá que aprender a lidar com perdas ainda maiores, quer seja, mudança e/ou perde do emprego, amores, e muitas outras pequenas perdas, porém não menos importantes que também farão parte desse luto.

O luto faz parte da vida de todas as pessoas, ganhamos e perdemos o tempo todo e em diversos momentos e seguimentos da vida. No casamento naufragado e na vida cotidiana o ser humano tende a atravessar por perdas de diversos tipos, que trará lembranças agradáveis e desagradáveis acompanhadas de dor, sofrimento e angústia.

Este é um período em que a psique está tentando se preservar para retomar a rotina. Isso porque, onde quer que passamos deixamos pedaços. É um pouco de nós que fica para trás e é através do recolhimento no luto que se pode reconstruir um novo sentido para vida.

E ainda que tentemos preservar o "Eu" nunca mais seremos os mesmos. Se for verdade que a morte é diária a vida também é. Mesmo diante de tantas perdas a conquista se dá mediante a procura do equilíbrio, força e mais a certeza que o luto faz parte da vida paralelamente com o que se foi.





Jacqueline Meireles
Psicóloga/Consultora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, participe dessa construção!