Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

Individualismo na relação a dois


Psicólogos especialistas em terapia de casal falam sobre o lugar do individualismo nos relacionamentos
HUGO VIANA

Qual a importância de manter a individualidade num relacionamento? Antes de levar adiante um compromisso sério é preciso se conhecer. Nessa busca de identificar a própria identidade, entender a solidão, qualquer um pode ser taxado de “individualista”. Só que esse momento é imprescindível para a melhor compreensão de si e dos limites pessoais. “Busca-se o amor do outro, mas muitas vezes nem aprendemos a nos amar. É preciso que cada indivíduo procure a identidade pessoal para chegar na felicidade como casal”, explica Jacqueline Meireles, psicóloga clínica e hospitalar, habilitada em saúde da família.

“É sempre válido investir na individualidade, mas nunca no individualismo”, aponta ela. A profissional lembra que, abdicar de hábitos individuais para satisfazer a vontade do outro, não significa necessariamente se apagar diante do par. “Mas não se pode abdicar de tudo e sempre. É saudável ter em mente que, antes do casal, há um indivíduo com anseios, sonhos e desejos particulares. É importante lembrar que ao satisfazer a vontade do outro a pessoa não precisa se anular”, pontua.

Para, a partir de todas essas nuances, desenvolver um relacionamento honesto, é preciso boa dose de maturidade. O casal precisa manter aberto um espaço para diálogo, estabelecer uma confiança mútua e, assim, investir tanto em momentos pessoais quanto na relação a dois. “Isso depende da confiança conquistada na relação entre as partes. Seja no amor, na amizade ou nas relações em geral, tudo é uma conquista. Falando de uma relação saudável, não patológica, é importante respeitar os ciclos e os ritmos de cada um. Para que a relação se mantenha saudável no dia a dia, é preciso que se permita ao outro ser o que ele ou ela é, destituído de fantasias, ilusões e projeções. Em qualquer relação é preciso que se estabeleça limites”, pondera Jacqueline.

Psicólogos concordam que também é fácil para essa busca pela individualidade desandar e acabar no egoísmo. A psicoterapeuta de casal Conceição Veras Padilha, que também é sexóloga, ressalta que não pode haver lugar para atitudes egoístas num relacionamento. “A indivudialidade é positiva, exceto quando se transforma em individualismo. Tratar uma pessoa como objeto, como algo que pode ser ‘descartado’, algo que pode ser observado em algumas relações, sinaliza o lado egoísta e obscuro de cada um, como se o outro estivesse ali apenas para satisfazer. Isso demonstra infantilidade e imaturidade na relação”, observa Conceição. E complementa: “O individualismo limita. Podemos até fazer uma analogia com os instintos primitivos da primeira infância, quando há uma busca pela satisfação pessoal. Torna-se um grande desafio para a manutenção da individualidade conciliar o amor por si próprio e o amor pelo outro, negociar esses dois desejos; o de liberdade e o de simbiose, adaptar sua dualidade ao parceiro na tentativa de ajustar o crescimento de modo recíproco”.

SERVIÇO
Jacqueline Meireles
Fone: 8811 2263
Fonte: Folhape

3 comentários:

  1. katia goretti05/09/2009 23:00

    caras psicologas

    Um País que cultua a cegueira, a alienação e a replicação de modelos sociais nocivos, pouco se preocupa com a relação individual-conjugal e coletiva. O diálogo mais produtivo se dá quando a busca pessoal encontra o coletivo.É trabalhoso e de grande investimento. Penso sempre que podemos na busca pelas respostas sermos mais livres e autônomos em nossas escolhas. O modelo que serve a um não serve a todos, mais estamos sempre procurando modelos!
    É incansável .....

    katia goretti

    ResponderExcluir
  2. Olá Jaqueline.
    Eduardo sempre elogia muito seu trabalho e agora vejo que ele tem razão!
    Parabéns!

    Sandra Couto

    ResponderExcluir
  3. Vivi num relacionamento onde Ele era um ser muito individualista tentei várias vezes mais cansei porque além disso existia a traição e a mentira ... Só eu vivia fiel no relacionamento ELE não se importava comigo....nunca saímos juntos ..pois Ele so priorização seus amigos... cansei, cansei literalmente ...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, participe dessa construção!

Matéria: Swellyn França

Matéria: Swellyn França
Com, Jacqueline Meireles

Matéria: Verônica Mambrini e Raquel Paulino

Matéria: Verônica Mambrini e Raquel Paulino
Com, Jacqueline Meireles

Matérias: Sylvio Netto

Matérias: Sylvio Netto
Com, Jacqueline Meireles

Em análise...

A psicologia é uma 'ferramenta' que necessita de tempo e estudo. Mas a análise é própria de cada sujeito, qualquer pessoa pode fazer uma análise ou auto-analise, porém o maior desafio é romper com o preconceito que muitas vezes surge ligado ao julgamento.

Jacqueline Meireles
Psicóloga

Minuto RH

O capital humano pode ser sinônimo de grandes empreendimentos, ele transforma saber em renda, produz valor econômico, gera conhecimento e aprimora competências indispensáveis ao desenvolvimento.