Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

8 de maio de 2017

Rede Social, o grande "Tribunal de Justiça"

Em tempos de globalização, as redes sociais estão ocupando o lugar de tribunais, com milhões de juízes, muitas vezes mais cruéis que os próprios magistrados. Na "tribuna social", o  réu não é ouvido, mas julgado, culpado e condenado, muitas vezes, antes da apuração dos fatos.

Essa sede de se fazer justiça com as próprias mãos pode destruir ou se não destrói, tende a causar graves problemas de ordem emocional à vitima.  Ao ouvir uma informação sem checar a verdade, corre-se grande risco de estar espalhando um fato falso que, com a internet, se espalha rapidamente.

Não podemos querer interpretar um livro só pela capa, nem mesmo inventar um desfecho para história que nem lemos ou presenciamos. Certo que, até o juízes, para julgar um caso, necessita de tempo e de provas.

Por trás da rede, há milhões de personalidades, pessoas que se aproveitam para divulgar notícias falsas. Acreditam que têm direito de falar o que quer e sem filtro, diz fazer uso de sua liberdade de expressão.

Dessa forma, as palavras lançadas nas mídias acabam criando uma proporção gigantesca, bagunçam a vida de possíveis inocentes de tal forma que o abalo psicológico causado trará inúmeros problemas de ordem relacional em sua vida.

A mancha formada por um comentário maldoso, uma punição sem apuração, destrói a vida de qualquer indivíduo. Não podemos esquecer que por trás de um site, de um aplicativo, existe um ser humano que se utiliza do pseudo anonimato para espalhar toda seu revolta e indignação. Muitas vezes sem medir as consequências.

Rede social não deve ser  um tribunal, não temos o direito de absorver ou condenar ninguém. Hoje em dia, as informações estão sendo divulgadas de  forma instantânea. Mais um motivo de termos cuidado em repassar informações falsas, não confirmadas.

Quando  aproveitamos o lado bom dessa ferramenta, no sentido de levarmos conhecimentos, nos preocuparmos mais com os conteúdo, iriamos reduzir e muito essa gama de falsas informações.

Não podemos esquecer que toda palavra lançada há nela sentimentos intrínsecos, que podemos escolher se esse sentimento lançado é de amor ou de revolta. Não devemos ser juízes da vida e do comportamento de ninguém.

Entender que o respeito se faz necessário em qualquer esfera social, quer seja no mundo virtual ou no mundo real é o primeiro passo para construir uma sociedade mais justa. Nosso papel na sociedade deve ser de acolher e ajudar uns aos outros, no momento oportuno e na medida do possível. Entender que não precisamos ter opinião sobre tudo, pois há coisa que fogem do nosso entendimento.

Muitas vezes ajudamos mais ficando calado, esperando a poeira baixar, para só depois, com mais clareza e conhecimento prévio dos fatos, poder se colocar. Não é questão de se esquivar do debate, mas ter inteligência emocional para que no momento certo sua opinião seja escutada muito mais que ouvida.

Se é para propagar, vamos propagar o bem!