Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

1 de maio de 2018

Uma reflexão sobre o dia Internacional do Trabalhador

Em meio a postagens de gratidão, reconhecermentos, agradecimentos, reivindicações e protestos pelo mundo, o dia do Trabalhador não passou batido.

Para falar de 1° Maio temos que fazer uma retrospectiva do que essa data representou para o Mundo no século passado e o que ela ainda representa na atualidade.

O dia do trabalho ou Dia Internacional dos Trabalhadores, foi uma campanha meio que revolucionária pela redução do tempo de trabalho a uma jornada de oito horas no fim do século XIX. Essa celebração 1° de maio ocorre em quase todos os países do mundo.

Sendo assim, a data de 1° de maio não trás só uma reflexão do valor trabalhista, mas reflete um momento histórico, em que a classe trabalhadora tem a oportunidade de se fazer lembrar, e solicitar melhores condições de trabalho, melhores salários e principalmente maiores oportunidades de trabalho.

Contudo, essa história não começa no trabalho, mas na escolha da função que será exercida. Pois  para sermos o profissional de hoje, tivemos que fazer algumas escolhas que nem sempre foram fáceis. As vezes por dificuldades financeiras, outras por falta de perspectiva, a profissão escolhida não foi bem aquela sonhada, foi a que "surgiu no momento ou a que deu para agarrar".

O desemprego que veem assombrando a sociedade há muito tempo, tem feito os trabalhadores buscarem alternativas de sobrevivência, porque o trabalho é sim, uma questão de sobrevivência, de dignidade, fonte de renda.

O trabalho não é só uma ocupação, o trabalho é registro de que aquela pessoa tem uma atividade, tem uma tarefa, tem uma profissão, exerce uma função. É por isso que desde cedo os jovens são estimulados a fazer essa escolha e tem que pensar no trabalho como uma atividade que talvez irá exercer pelo resto de sua vida. Mas, essa trabalho não pode ser só labuta, ela tem que ser rentável, tem que dá pra pagar as contas, suprir a família, passear, se realizar.

São tantas coisas que o trabalho faz e trás que fica até difícil resumir em um único texto as inúmeras  atividade que a pessoa vai precisar desempenhar e os percalços que ira ganhar, por dedicar grande parte de sua vida. É por isso que, é tão difícil escolher uma profissional, um trabalho que não seja "tão trabalho", mas que seja também seja prazer.

Desde muito cedo, os jovens são estimulados a escolher uma profissão e isso nunca ocorre de forma tranquila, mas regados de muitas dúvidas, medos e insegurança. Alguns são induzidos pelas escolhas bem sucedidas dos pais, tios, avós, mas não pelas suas aptidões.

Dessa forma, fica difícil para esses jovens assimilar todas essas variáveis de situação, já que suas escolhas geralmente não são suas. Arcar com uma escolha para o jovem é muito difícil, por isso que na maioria das vezes eles preferem seguir os passos de pessoas de referência, modelos bem sucedidos, geralmente alguém de sua família.

Mas, nem sempre a opção terá cem por cento de assertividade, pois o mercado de trabalho também vai exigi muito desse profissional. Então, como sentir prazer na atividade escolhida, gostar do local de trabalho e das inúmeras situações que surgem no ambiente de trabalho?!

Todas esses aspectos serão determinantes durante o processo de inclusão no mercado de trabalho e essa tão pequenina frase: Feliz dia do trabalhador, vai fazer muito sentido.

Saber identificar o que te faz feliz e muito importante, pois esse prazer tende a ajudar o trabalhador a passar por muitos desafios de forma mais leve. O trabalho não pode ser visto como um tormento, um sofrimento, pois caso isso ocorra abre-se uma janela para o desenvolvimento de vários transtornos mentais, que danificam a saúde da mente.

Por isso é importante tentar ver o que de bom você pode aprender dessa situação. Afinal, se no momento você não pode mudar de emprego ou de função, utilize sua atual situação para mudar você.

Tentar enxergar outro ponto de vista, ex. se você está em um lugar que acha que não tem nada para aprender, comece a pensar o que você pode ensinar, ciente que em todo lugar por mais simples ou sofisticado que seja, sempre há o que aprender e o que ensinar.

Tentar mudar um pouco sua visão, melhor dizendo, ampliar a sua visão, ser solidário com as pessoas, cooperativo, participativo.

Hoje é comemorado dia do trabalhador, mas será que estamos caminhando para uma valorização pessoal e profissional por parte das empresas e dos empregados.

O trabalho nos dá a oportunidade de sair da inércia, o trabalho nos livra de muitos males, mas também pode ser fonte de adoecimento mental.

Muitas empresas exploram seus funcionários, não ofertando reconhecimento justo, o faz sofrer humilhações e tira do profissional o gosto pela atividade.

Toda as atividades são dignas de honra, mas nem todos honram todas as atividades, há ainda muito estigma e preconceito, desvalorização de algumas funções tão importantes e necessárias para a sociedade. O certo é que, independente da atividade que você execute coloque nela seu amor. Plante nela sua flor e cultive seus frutos, pois seu jardim reflete sua essência, seu Eu.

É verdade que nem todos gostam do seu emprego, do lugar onde estão trabalhando, dos colegas de trabalho, além de tudo, muitos se sentem mal remunerados, pouco prestigiado, sem perspectiva de crescimento e frustrados.

Almejar trabalho melhor não é ruim, afinal quem não quer o melhor pra si? Mas, você já parou para pensar o que pode fazer e o que tem feito para sair dessa situação? Então, não abandone seus sonhos, não permita que a situação atual tire sua esperança, acredite no seu investimento profissional e pessoal, contudo, trabalhe a seu favor. 

Entenda, às vezes precisamos passar por determinados estágios da vida para crescer moralmente e o trabalho faz parte desse degrau de evolução. Não perca a oportunidade de fazer o seu melhor, de mostrar o ser humano incrível que você é!


Jacqueline Meireles
Psicóloga




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, participe dessa construção!