Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

6 de janeiro de 2011

Às vezes, EU preciso mais de mim!



Não importa o quanto de especial a outra pessoa é para você, mas existe um momento que o seu eu o chama, solicita um pouco de atenção, cuidado, carinho e aconchego. Esse chamado aponta para uma necessidade de auto-análise. Neste momento o sujeito tem a possibilidade de se olhar com um pouco mais de carinho e observar que tem necessidades e desejos tanto quanto os outros.
Está necessidade vem de um sentimento interno que o coloca a frente de um espelho, sendo refletida sua imagem interior, neste instante cada um pode se perguntar, entrar em contato com seus sentimentos e conflitos, sua dualidade emocional.
Vivi-se em um mundo tão corrido que poucas pessoas se dão esse intervalo, essa pausa do mundo externo em prol do interno, quase nunca se permitem se abraçar e esquecer por algumas horas atividades cotidianas para visualizar seus interesses, que dentre tantos é saber que seu Eu precisa mais de você.
No entanto, muitos confundem essa necessidade com egoísmo ou falta de doação em prol dos outros, mas até para que haja entrega ao outro primeiro se faz necessário cuidar um pouco do Eu interno, de sua alto-estima e ter autonomia é essencial.
Ao interromper mesmo que por instantes algumas atividades, o sujeito tem como ganho oxigenar sua mente dos problemas e reorganizar seus conflitos. Isso o possibilita juntar as partes fragmentadas com o intuito de reajustar-se.
Mesmo que busque a completude, finalizado o sujeito nunca estará. Contudo é importante que apesar das inúmeras faltas e lacunas que existam, no buraco negro inconsciente haverá sempre uma demanda para acomodação dos tantos sentimentos e emoções.
Quando o sujeito se dá a oportunidade de organizar seus sentimentos, ele alto se autoriza a um novo olhar, uma nova direção do que lhe é possível, para adiante iniciar uma nova vida com base mais solida e segura.
Não ter medo dos seus próprios sentimentos é fundamental, mesmo que neste momento essas emoções não sejam tão agradáveis. Poder transformar seus anseios em algo melhor e uma prova de maturidade e alto aceitação.
Cada pessoa tem um nível de aceitação e rejeição, ao saber lidar com os seus próprios níveis de emoções, grande vantagem o sujeito terá, o de buscar o amor dentro de si mesmo.
Ter consciência no momento em que seu Eu necessita da sua atenção, do seu amor, do seu cuidado e do seu aconchego é importante.
Porque ninguém consegue amar e se entregar ao outro sem que antes tenha consciência de suas próprias necessidades. 

Jacqueline Meireles
Psicóloga/Consultora

Um comentário:

  1. Excelente o texto, geralmente as pessoas deixam de se olhar e refletem-se demais nos outros, buscam-se completar através de alguém, evitando o auto-conhecimento. Parece normal tal visão, porém, chega um momento em que visualizando-se no outro começa a enxergar seus defeitos e disso vem a decepção e vai por água abaixo a idealização. Concordo na diferença entre egoísmo e olhar-se com amor. Ter a oportunidade de se amar é o primeiro passo para relacionamentos maduros. Parabéns pelas palavras!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, participe dessa construção!