Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

29 de julho de 2011

O 'tempo' abre portas


A dinâmica da vida moderna tem influenciado comportamentos. Novidades, constantes estímulos sufocam e bombardeiam a mente humana. Na verdade o conhecimento tende a dar ao sujeito uma responsabilidade maior. O desenvolvimento aumenta as possibilidades, mas, aumentar não é crescer.
O sentimento de vazio surge à medida que os indivíduos não conseguem dar conta de suas escolhas, projetos são barrados por falta de tempo. Para muitos, as opções nem se quer chegam a concretizar.  Mesmo assim a vida solicita, impõe tantas tarefas. O que fazer?
 Pensar. Refletir. Elaborar.
Através do pensar, as idéias surgem como um insight e ganham contornos, neste instante mágico as imagens aparecem. A desordem mental passa a dar lugar à ordem e todas as sensações referentes ao medo, anseios e vulnerabilidade vão se modificando é chegada à transformação.
As portas se abrem e junto trás um arsenal de informações, são tantas as novidades, essas também causam conflitos, confusão. Muitas alternativas acarretam ao sujeito dificuldades de escolha.
Hoje a tecnologia da informação tem ampliado o espaço e a comunicação entre os indivíduos, ao mesmo tempo em que trás conhecimento abre lacunas, propiciam crises existenciais. Há um espaço vazio significativo na vida dos sujeitos.
Canais via satélite com infinitas programações, mais escolhas a fazer, mais informações que chegam, mais conteúdo, tudo isso em curto espaço de tempo. E quando o sujeito finalmente crer que chegou ao apogeu, ao topo, acredita que conseguiu desvendar todas as fórmulas, provas situacionais, eis que surgem outras.
Entretanto, nem essa imensa quantidade de notícias é capaz de extinguir o 'vácuo interior'. Projetos não concretizados causam sofrimento, trás insatisfação, no entanto ainda há muitos caminhos.
Informações ultrapassadas, o novo rapidamente se transforma em antigo. E o gozo da vida, este está pautado no agora.Cosntruir é algo que leva tempo, demora, quem se arrisca a esperar?
Pensar sem interferência de emoções. Refletir com equilíbrio. Ter maturidade para elaborar, difícil movimento humano. Excluir os anseios que envolvem os pensamentos e acreditar nas inúmeras portas de possibilidades.
Confiar nas próprias escolhas é entender que não existe fim. O começo é diário. É agora. É sempre. 



Jacqueline Meireles
Psicóloga/Consultora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, participe dessa construção!