Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

23 de outubro de 2010

"Desmame materno"


É sabido que a chagada do bebê trás grandes transformações para a vida do casal ocorre que antes mesmo de nascer à criança vai solicitando varias mudanças na rotina dos futuros pais. A cada etapa transcorrida pequenos desmames vão sendo feitos em suas vidas. Tudo isso dar-se de forma sutil possibilitando ao casal traçar, adaptar e ajustar seu foco e sua rotina na chegada do bebê.
O casal tende a ajustar seus dias de trabalho e lazer na organização do enxoval, decoração do quarto e múltiplas consultas pré-natais. Uma criança ao mesmo tempo em que trás felicidade e renovação, também pode ser sinônimo de recomeço, não só a nível familiar estrutural, como a nível afetivo, pois a energia psíquica que vai sendo projetada a criança é transferida ao casal em forma  de expectativas e planos futuros.
Quando o bebê nasce à mãe é ainda mais solicitada, não só pelos cuidados referentes à amamentação, mais sobre tudo, pelo afeto que a liga ao bebê. Dessa forma o vinculo se torna ainda mais homogênio.
Muitas mamães buscam através do filho preencher lacunas afetivas existentes, acabam por depositar na criança toda uma carga energética referente ao sentimento de falta nela já existente, esquece seu lado mulher, esposa, profissional, porém, é importante tanto para a mãe quanto para o desenvolvimento saudável da criança, que exista o que chamarei aqui de "desmame emocional".
Não é só o bebe que vivenciará o “desmame emocional”, as mães também tendem a ser “desmamadas” ao planejar seu retorno profissional e social. Talvez o desmame emocional seja para mãe o mais difícil dos desmames, pois é nesta hora que toda carga emocional está sendo vivenciada, uma confusão de sentimentos e sofrimento.
É necessário frisar que todas essas questões relacionadas ao desmame são saudáveis para o desenvolvimento individual e psíquico da mãe e do bebê. Visando estimular a independência do pequeno que aprenderá aos poucos a viver e desenvolver suas funções de modo autônomo.
Para a mãe é importante traçar, planejar seu retorno de forma gradativa, sabendo que agora terá mais uma função além de todas as outras já existentes antes da chegada do neném. Tudo essas situações podem ser realizadas sem culpas, caso ela perceba que pode ajudar seu filho a crescer forma afetiva e saudável mesmo com pequenos momentos de sua ausência.
O desmame emocional ocorre de forma simultânea mãe-bebê e bebê-mamãe, porém, dependerá da mãe transmitir segurança suficiente para seu filhote que ainda solicita e necessita de seus cuidados e afeto.  
A criança tende a reagir conforme a energia libidinal de medo, culpa e separação transmitidas pela mãe, podendo ser observado pela forma de prazer ou desprazer nos momentos das ausências, são sensações muitas vezes transferidas pela mãe de modo inconsciente.
Quanto mais segura à mãe estiver em relação ao retorno à rotina de trabalho e as suas necessidades de ausência, mais o bebê se sentirá seguro, não se sentirá abandonado, rejeitado, mas, procurará durante estes pequenos instantes de afastamento materno transforma e exercer sua independência e autonomia psíquica, pois saberá que a mamãe voltará ainda mais afetuosa e feliz.
A relação mãe-bebê e feita de amor, disponibilidade e afeto, não de culpa. 


Jacqueline Meireles
Psicóloga/Consultora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, participe dessa construção!