Reprodução autorizada desde que mencionada à autora e o site www.psicologiaemanalise.com.br/

23 de março de 2011

Casamento: Reaver dos sentimentos

O encantamento do inicio do namoro passou, a conquista, as novidades, a timidez, as descobertas, todas se foram. Estas etapas tão importantes para qualquer relação, faz surgir uma estrada para a união matrimonial, mas quando a construção da relação esbarra no edifício inacabado dos alicerces o que fazer com o desgaste natural da convivência?
A palavra de ordem é reciclar.
Reciclagem é a termo mais em alta do momento e porque não utilizar nas relações amorosas, para tanto faz necessário acomodar-la em bases solidas e iniciar a transformação.
O casamento como qualquer outro tipo de vínculo possui altos e baixos. É normal que após anos e até décadas de convívio os casais sintam a necessidade de renovar o contrato. Mesmo que seja difícil crer que os sentimentos iniciais relacionados à conquista possam ressurgir das cinzas como uma fênix trás experiência, sabedoria e força.
 Iniciar uma nova relação amorosa com o mesmo parceiro não é tarefa das mais fácies, reacender antigos sentimentos, fazer uma auto-análise, rever velhos anseios e ao mesmo tempo estarem aberto a novos desejos é um desafio para o casal. Ao conseguir resgatar as emoções castradas, as lembranças, sonhos e projetos adolescidos trarão mudança positiva para a relação.
Evidente que o tempo modifica o modo como os casais se relacionam, a convivência tende a mostrar o lado pouco romântico do amado, como seus vícios e manias, por outro lado também cria uma intimidade velada antes pelos medos relativos ao inicio de qualquer envolvimento.
Diferente da efêmera intimidade, esta outra aparece com formas, traços concretos, corpo, alma, linhas definidas, que tantos enamorados buscam, mas que só pode ser conquistada através do conhecimento, convívio e amor.
Viver uma nostalgia mesmo que por um instante é importante para o casal, relembrar momentos prazerosos a dois fortalece o laço matrimonial, saber fazer uso do humor, dos pequenos deslizes, das garfes e ao mesmo tempo compartilhar devaneios é importante.
Ao adoçar o relacionamento, o casamento se torna mais gratificante e agradável, saber tirar proveito de acontecimentos desagradáveis também é uma forma madura de fortalecer a união.
Ciente que não é o tempo que acaba com o casamento, mas o que cada casal consegue transformar, modificar, fazer renascer o amor a cada dia, sendo este diferente do amor romântico, do amor idealizado, ilusório, outro tipo de afeto, construído sobre fortes alicerces e dotado de valor, respeito e admiração.
O casamento é uma construção diária, não importa quanto tempo estejam juntos, não importa o numero de degraus alcançados, sempre irá existir novidades e o dia-dia deve ser encarado como uma oportunidade, dar início, recomeçar, reciclar para aqueles que conseguem perceber nem que seja por um instante a oportunidade e tentar ser feliz.
Muitos casais em crise preferem mudar de quarto, casa, até mesmo de companheiro (a), entretanto poucos conseguem mudar de atitude, talvez essa por ser mais difícil e dependa única e exclusivamente de cada um. 
É irônico perceber que algumas situações que dependem excepcionalmente do ser humano cause tanta resistência e dificulte tal mudança, mudar de comportamento é uma das atitudes mais difíceis. O que leva a crer que sempre tendemos a esperar que a tal mudança venha do outro.
 O dia de hoje é seu, como todos os dias... Mude!




Jacqueline Meireles
Psicóloga/Consultora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, participe dessa construção!